Em entrevista ao UOL, Campbell deu alguns detalhes do que os leitores encontrarão na sua obra. O autor entrevistou os três irmãos da ex-deputada, a mãe, alguns dos filhos e o atual namorado que o ajudaram a contar a história nunca vista.


Um dos trechos mais surpreendentes do que já foi adiantado é sobre a história dos 55 filhos, entre biológicos, adotivos e socioafetivos. Sobre isso, o autor vai dizer que a ideia de ser uma big família partiu do Anderson do Carmo, morto em 2019, que chegou à família de Flordelis sendo namorado de sua filha biológica, Sandra, uma das participantes do assassinato do pastor.


Campbell conseguiu depoimentos de mães que diziam que Flordelis “roubou” os filhos delas. “”Nunca chegou às 50 mesmas crianças, havia uma rotatividade. Ela encontrava mães altamente debilitadas, nas ruas, levava a criança, dizendo que era missão, mas era para completar a meta de 50 e capitalizar em cima disso. E algumas iam embora”, completa.


Outra parte chocante do livro vai mostrar que, como o título diz, Flordelis e Anderson não serviam a Deus, mas ao diabo, seguindo rituais satânicos do famoso livro de “São Cipriano”, usado por praticantes de magia negra.


“A casa era uma seita, uma congregação diabólica. Ela seguia ritos desse livro. Havia um ritual de purificação em que ela tinha que transar com filhos, se banhar com o esperma deles, sempre no cunho macabro sexual”, afirma o autor.


O motivo para tal absurdo? Campbell explica que ela dizia “que tinha que haver troca de energia entre as pessoas, e a energia mais pura era do sexo, era nessa teoria maluca que havia abusos com os filhos”.


O que a defesa da ex-deputada diz sobre o livro?


Procurada pelo UOL, o advogado Rodrigo Faucz, defesa da ex-deputada, diz que o livro visa colocar em xeque e “desconstruir” a imagem de sua cliente. Sobre as revelações de denúncias e rituais que envolvem abusos sexuais o profissional diz que é “bobagem”. “São situações inverídicas, inventadas, seja em versões da acusação ou de pessoas que são detratores da Flordelis”.


Faucz adiantou ainda que no dia 6 de junho, durante o Tribunal do Júri, ele vai expor os motivos pelos quais parte dos filhos ficaram contra Flordelis e planejaram o assassinato de Anderson.


A entrevista completa do UOL pode ser lida aqui.